Adeus Órbita. Olá Órbita!

Desde 2012 que promovemos e damos suporte à icónica marca portuguesa que desde 1971 se dedica ao fabrico e comercialização de bicicletas. Embora a empresa tenha passado por várias mudanças e crises ao longo dos seus quase 50 anos, foi em 2016 que, ao ser adquirida por 3 empresários alfacinhas, se ficou a saber que nada mais seria como dantes em relação a... tudo: catálogo, logística, assistência, relação com os representantes, com os clientes, tudo!

A Órbita parou completamente a produção das actuais bicicletas, desenhou um novo catálogo de raiz, contratou mais pessoal, deslocaram a linha de montagem e a distribuição para a fábrica Miralago (onde eram e são fabricados os quadros e restantes peças) e estabeleceram novos contractos com agentes, parcerias e assinaram novos protocolos para fornecimento de bicicletas para uso partilhado, sendo o de Lisboa o mais conhecido. Recordo que o maior sistema de bicicletas partilhadas do mundo, em Paris, foi parcialmente fornecido pela Órbita. A aposta no marketing foi outra novidade.

Hoje recebemos um email com a versão final do novo catálogo e menino(a)... vou-te dizer uma coisa: estou muito surpreendido! 

Os brother's andaram de norte a sul do país a fotografar os novos modelos portugueses nas respectivas cidades! Muito bom:)
A Órbita não se limitou a mudar os nomes e as cores das bicicletas. Foi tudo! Por exemplo, os modelos de gama de entrada deixaram de ter aqueles manípulos de mudanças manhosos de marca branca e agora é tudo Shimano. As antigas Fix desapareceram e deram lugar à Lisboa e à Porto, com rodas de dupla parede, pedaleiros robustos e design atraente. As icónicas Classic e Expo, deram lugar à 1971, Estoril e à Estoril Plus (ok, too much Apple here, but it´s ok for me) com cores atraentes, selins e punhos de pele de melhor qualidade, etc. 
Outra grande mudança foi o target da marca, que antigamente estava mais voltada para o BTT e ciclismo de estrada, com prioridade absoluta no catálogo e agora reduziu a oferta a 3 modelos mais sérios (sem contar com as de entrada de gama) a Saturn de estrada com Shimano Sora e a Oberon de btt de 27.5" com XT ou Deore. Menos é mais!


Voltando aos modelos mais baratos, incluindo os de criança, a transformação foi notória, exemplo perfeito de que nem sempre as melhores características técnicas são o mais importante para ter bons resultados, o cuidado com o detalhe e uma boa cor e lettering acrescenta valor sem acrescentar muito custo de produção. 
Com grande tristeza, verifiquei que a dobrável Flex 16, um projecto antigo que foi proposto por nós em 2014 e produzida em 2015, mal tinha começado a andar e já foi retirada do catálogo:( Um erro a nosso ver, porque para além de ser esteticamente muito bonita, não tem concorrência nenhuma nem aqui nem lá fora. Basicamente de roda 16" temos as Brompton e as Dahon, que apesar de reconhecida qualidade, têm preços pouco acessíveis. Espero voltar a vê-la em 2018!

Ainda não temos informação de preços e ainda nem sequer inserimos o novo catálogo na loja online, com envios nacionais gratuitos e a preço de fábrica. Até lá fiquem atentos e enviem um email se quiserem mais informações ou pré-reservar.

Comentários

  1. A minha primeira bicicleta foi uma Órbita, assim, quando tive de comprar a primeira bicicleta para a minha filha, obviamente que escolhi a Orbita! E foi graças à procura de uma bicicleta desta marca que descobri a BK (onde acabei por a encomendar).

    Fico contente por ajudar uma marca nacional, e ver que se estão a dar bem no mercado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Importante testemunho! Obrigado por nos acompanhar:)

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Olá Filipe
      Nunca chegaram a fazer. Segundo sei vão lançar um novo catálogo

      Eliminar

Enviar um comentário